Entenda a importância de cuidar da saúde bucal na terceira idade

A população brasileira está envelhecendo (e muito!). Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2018) desde 2012 a população considerada idosa aumentou em 4,8 milhões, chegando a um total de 30,2 milhões em 2018. Ou seja, 15,4% da população total do Brasil, sendo a predominância do sexo feminino (8,6%) em detrimento ao sexo masculino (6,8%).

Por isso, no post de hoje vamos ver o retrato dos idosos no Brasil e descobrir quais são os principais cuidados que se deve ter para cuidar da saúde bucal na terceira idade. Ficou curioso ou curiosa? Vem conosco!

Retrato dos idosos no Brasil

No Brasil, de acordo com o Estatuto do Idoso, a partir de 60 anos já é considerado idoso. Em relação ao envelhecimento, é importante entender que é um processo natural da vida e acarreta diversas alterações intrínsecas para o organismo. E tais mudanças são decorrentes de processos fisiológicos e não representam, necessariamente, doenças. Ou seja: envelhecer é algo natural. 

Já sabemos que a população brasileira está envelhecendo. O IBGE revela que a relação entre a porcentagem de idosos e de jovens (o “índice de envelhecimento”) deve aumentar de 43,19%, em 2018, para 173,47%, em 2060. E por que isto está acontecendo? São diversas causas. 

Dentre elas, a queda da taxa de fecundidade, além do aumento da expectativa de vida do brasileiro. Para entender melhor: quem nasceu no Brasil em 2017 pode chegar, em média, a 76 anos de vida. Já na projeção, quem nascer em 2060 poderá chegar a 81 anos. Assim, desde 1940 a expectativa já aumentou 30,5 anos.

Já outra pesquisa divulgada pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) traz dados interessantes sobre o comportamento da terceira idade. Essa pesquisa CNDL/SPC (2018) revelou que:

  • 70% dos idosos (acima dos 60 anos) estão aposentados;
  • 21% dos aposentados continuam trabalhando;
  • 47% dos idosos que continuam trabalhando disseram que a renda não é suficiente para pagar as contas;
  • 76% dos idosos encaram o trabalho de forma positiva nessa fase da vida.

Ou seja, é um perfil diferente de idosos que vemos atualmente: eles estão vivendo mais, de maneira mais ativa e presente no mercado de trabalho. 

A importância de cuidar da saúde bucal na terceira idade

O Ministério da Saúde explica que, como as pessoas estão vivendo mais, é necessário adotar novos cuidados com a saúde, inclusive com a saúde bucal. 

No início do milênio, grande parte dos idosos eram desdentados aqui no Brasil. Esse cenário foi mudando com a implementação de políticas públicas de saúde e a melhora na qualidade de vida, que favoreceram a manutenção e a diminuição das perdas de dentes.

A Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG/São Paulo) explica que uma boca que não é bem cuidada pode trazer inúmeras consequências para a saúde do indivíduo. A ausência de dentes, por exemplo, pode levar a:

  • insuficiência mastigatória;
  • disfagia moderada; 
  • desordens de articulação e fala;
  • dentre outros problemas. 

Além disso, há a questão psicológica também que pode ser afetada pela saúde bucal, já que a ausência de dentes tem um forte impacto na autoestima e, consequentemente, na qualidade de vida do indivíduo. Por causa de tudo isso, é imprescindível estar atento à saúde bucal do idoso. 

E é importante entender que o avanço da idade pode gerar alguns problemas na saúde bucal, tais como: 

  • ocorrência de doença periodontal, que afeta gengiva e ossos que suportam os dentes; 
  • cárie; 
  • sensibilidade; 
  • halitose; 
  • xerostomia (também conhecida como boca seca); 
  • lesões bucais em pessoas que utilizam próteses, devido à má adaptação.

Cuidados importantes com a saúde da boca dos idosos

O Ministério da Saúde explica que a escovação diária após cada refeição principal e também antes de dormir é fundamental para um sorriso saudável, em todas as idades. Deve-se escovar os dentes com escova de tamanho adequado, com cerdas macias e creme dental com flúor. 

Para quem usa próteses dentárias, a limpeza da peça deve ser feita fora da boca com escova protética macia. 

Além disso, a higiene deve ser complementada com o uso do fio dental entre todos os dentes, assim como a realização da escovação da língua, pois evita o acúmulo de alimentos, assim como bactérias que provocam o mau hálito. 

Quando falamos das doenças que atingem a boca e se agravam, de modo geral, com a idade, duas se destacam.

Gengivite

De acordo com o Manual MSD, a gengivite é uma forma leve de doença periodontal caracterizada pela inflamação das gengivas. A gengivite prejudica a gengiva, identificada pelo sangramento, que pode ocorrer de forma espontânea ou na higienização dos dentes. 

Uma boa higiene oral, limpezas profissionais frequentes, além de uma nutrição adequada, geralmente eliminam a gengivite. 

Periodontite

Também de acordo com o MSD Manuals, a periodontite é uma doença gengival grave que pode fazer com que os dentes fiquem soltos ou caiam. Assim, a infecção enfraquece o tecido que mantém os dentes no lugar.

A periodontite é uma das causas principais de perda de dente em adultos. Os sintomas podem incluir dor, inchaço e sangramento das gengivas, mau hálito e afrouxamento dos dentes.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG), a prevalência de doença gengival, ou periodontite, aumenta à medida que envelhecemos. Até 64% dos adultos mais velhos nos EUA têm periodontite moderada ou grave, em comparação com menos de 38% dos jovens. Além disso, as cáries e a periodontite contribuem para a perda dentária.

Por isso, é importante visitar, regularmente, o dentista para manter a saúde da sua boca, inclusive na terceira idade. 

 

Artigo desenvolvido em parceria com o site Oversixty, portal dedicado a ajudar pessoas a aproveitarem a terceira idade com saúde e qualidade.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*