Saúde Mental: qual a diferença entre psicólogo e psiquiatra

saúde mental

Cuidar da saúde mental é super importante, mas entenda qual profissional mais se adequa às suas necessidades.

Nos dias atuais, durante a pandemia e nesse período pós-pandêmico, muitas pessoas entraram em sofrimento mental, seja devido à própria quarentena em si, ou pela crise financeira após. Assim, muitas pessoas se viram com a necessidade de encontrar ajuda profissional. 

Você sabe o que diferencia o psicólogo do psiquiatra? No artigo de hoje vamos explicar melhor qual a diferença entre psicólogo e psiquiatra e como eles atuam para o bem da saúde mental da população. 

Basicamente, embora atuem diretamente com a saúde mental, cada um tem foco em um aspecto da mente e da situação do paciente.

No caso do psicólogo, esse é um profissional formado na faculdade de psicologia e que atende em consultórios, com técnicas comportamentais de análise ou de psicanálise. 

Já no caso do psiquiatra, além de ser formado em medicina e fazer residência médica, é um dos requisitos fazer uma prova de título Psiquiatria para poder receitar remédios, caso seja necessário ao caso do paciente, o que não pode ser feito pelo psicólogo. 

Quando é a hora de cuidar da saúde mental?

Existem vários sintomas físicos e psicológicos que podem nos fazer perceber que precisamos de ajuda com nossa saúde mental, como por exemplo: 

 

  • Perda de apetite sem causa física, ou apetite descontrolado, também sem causa física aparente; 
  • Uso de drogas, álcool e cigarro de forma desenfreada e sem saciedade; 
  • Fugir do contato social com as pessoas sem causa aparente;
  • Discutir e/ou brigar com amigos, cônjuges, familiares, colegas de trabalho sem motivo que justifique;
  • Mudanças bruscas de humor. A pessoa do nada fica feliz ou depressiva, várias vezes ao dia, muito bruscamente e também sem motivo;
  • Dificuldade de pensar, ficar com a mente confusa e/ou ter episódios de esquecimento; 
  • Ter a sensação de medo, angústia, preocupação, raiva, tensão em níveis exagerados; 
  • Sentir que não tem energia para nada; 
  • Ter a sensação de entorpecimento, de estar “anestesiado”, “paralisado”; 
  • Perder a noção de importância das situações e/ou das pessoas;
  • Sentir-se sem esperança, impotente, ou sem perspectiva para o futuro;
  • Sentir dores no corpo sem razão aparente;
  • Acreditar que não é mais capaz de realizar as tarefas diárias já habituais, como cuidar da casa, dos filhos, trabalhar, estudar etc;
  • Vontade de desistir de tudo e pensamentos de dar cabo da própria vida. 

Procure ajuda profissional

Não há medo ou vergonha que justifique não procurar ajuda profissional seja do médico, psiquiatra ou psicólogo. Ao cuidar da sua saúde mental aos primeiros sintomas de problemas, você pode resolver problemas antes que fiquem mais sérios e sem solução. 

Assim como nosso corpo precisa de cuidados e de fazer exames e ir ao profissional de saúde, nossa mente também. São casos e casos em que os profissionais conseguem fazer pessoas se recuperarem e voltar a ter uma vida plena e satisfatória. 

Se você não consegue dar esse passo, peça a seus familiares que o façam por você, mas cuide-se! É o seu futuro em jogo. 

Esperamos que as informações ajudem a escolher o profissional mais adequado ao seu caso. Por fim, já falamos em outro artigo sobre hábitos saudáveis para não adoecer com frequência, leia e aproveite.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*